Gamificação da saúde: quando cuidar do corpo se torna uma aventura

Gamificação da saúde: quando cuidar do corpo se torna uma aventura

Cuidar do próprio corpo nunca foi tão prático. Aplicativos estão mudando a nossa relação com a saúde e podem nos ajudar a reconhecer os sinais de que algo não vai bem, partindo da prevenção até o tratamento de doenças. Marcar consultas de rotina, acessar resultados de exames e até monitorar a própria hidratação fazem parte do combo oferecido pelas novas plataformas.

Apps como o My Saúde permitem ao usuário armazenar todos os seus dados, além de agendar compromissos médicos e receber descontos para esses serviços. Fazer a curva glicêmica e criar um histórico de ingestão de água são outras funcionalidades desenvolvidas para que os cuidados façam parte do dia a dia.

O desenvolvimento de tais aplicativos faz parte da gamificação da saúde, uma tendência no setor. Ela consiste basicamente em usar aplicativos e outros recursos tecnológicos para engajar o paciente em cuidados diários de saúde.

A gamificação da saúde

O número de usuários de smartphones e, por consequência, de aplicativos, cresce a cada dia. Ter um celular com acesso à internet, mesmo que apenas pelo WiFi, é uma realidade que não pode ser ignorada pelo setor de saúde.

Aplicativos nos auxiliam a fazer todo tipo de tarefa, como pagar contas no banco ou agendar um tratamento estético. Nada mais lógico, então, do que utilizar a tecnologia para fazer dos cuidados com a saúde uma realidade mais presente na vida de todos.

Além disso, a estratégias para engajamento são diversas — e é aí que entra a parte do game. Os apps podem criar jogos divertidos para lembrar o usuário de fazer exercícios três vezes na semana ou tirar uma pausa quando passa o dia todo na frente do computador, por exemplo. Pode, ainda, criar um sistema de descontos para pacientes que sempre agendam consultas ou exames médicos pela plataforma.

Os jogos são uma motivação para que o usuário continue usando o aplicativo e, portanto, cuidando da própria saúde. As recompensas podem ser apenas pontos valendo a vitória, como em qualquer game, ou verdadeira compensações financeiras. Assim

A gamificação da saúde é para todos?

No artigo “Gamification for Health and wellbeing: A systematic review of the literature”, publicado em 2016 na revista ScienceDirect, os autores procuraram por evidências para entender se a gamificação realmente é eficiente quando se trata do engajamento do paciente. As evidências apontam para um impacto positivo na saúde e bem-estar, ainda que em alguns casos o uso de aplicativos tenha efeito neutro ou até mesmo negativo.

A gamificação provavelmente não funciona para todo mundo, mas é uma saída para engajar usuários que já estão conectados e realizando boa parte das suas tarefas diárias pelo celular.

Você já testou utilizar um aplicativo de saúde para cuidar do próprio corpo ou, se você é um profissional da área, para criar um canal de comunicação mais prático com os seus pacientes — ou até mesmo com pacientes em potencial? Compartilhe a sua experiência.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *