Estar paciente, o segredo para ser saudável

Estar paciente, o segredo para ser saudável

Você já teve um problema de saúde que te impediu de comer o que gosta ou de exercer suas atividades? Quando ficamos doentes, nos lembramos do quanto é importante ser saudável.

Desde o dia do nosso nascimento, damos início a um processo de aprendizagem contínua cujo objetivo principal é muito simples: manter o corpo funcionando de forma plena. Aprendemos a nos alimentar, a fazer a higiene básica, a evitar acidentes, a nos relacionar com as pessoas e assim por diante. Cada etapa desse processo permite que a nossa saúde global, composta por corpo e mente, seja a melhor possível.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ser saudável não é sinônimo de ausência de enfermidades — ainda que preveni-las e tratá-las seja essencial. “Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social”, diz a instituição. Já a The Health Foundation diz que “saúde não é apenas o bem-estar físico de um indivíduo, mas também o bem-estar social, emocional e cultural de toda a comunidade, em que cada indivíduo é capaz de atingir seu pleno potencial como ser humano, produzindo assim o bem-estar total de sua comunidade”.

Assim, “ser saudável” é algo permanente, mesmo que eventualmente seja necessário lidar com a doença. Mas para manter a permanência desse estado, devemos prestar atenção aos nossos corpos e ter autonomia sobre as informações que dizem respeito à ele. 

Ser saudável e estar paciente

Nós não somos pacientes, mas estamos pacientes ao longo de nossas vidas. Para isso, não é preciso viver dentro de um consultório médico, em um estado de preocupação constante com possíveis doenças.

Estar paciente tem mais a ver com conhecer o próprio corpo e manter um registro dos principais dados. Entra aí a importância do histórico de saúde, um documento que concentra todas as informações sobre o seu organismo, como a existência de doenças crônicas na família, cirurgias que já realizou, alergias, medicamentos que utiliza, vacinas que tomou e assim por diante.

Hoje, a tecnologia nos permite concentrar esses dados online, em sistemas eficientes e compartilhados — ou seja, não há a necessidade de manter seus documentos de saúde em papel e de levá-los consigo para todo canto. Quando necessário, basta acessar a internet para encontrar a informação desejada.

O aplicativo My Saúde permite o armazenamento e consulta dos seus dados de saúde. Assim, tais informações podem ser acessadas por profissionais de saúde, se você permitir, durante uma consulta, exame ou emergência, ou por você mesmo sempre que desejar. Assim, é possível ter autonomia e conhecimento sobre o desempenho e condição do seu organismo.

Com essas informações em mãos, fica mais fácil tomar as rédeas e adotar hábitos saudáveis, de acordo com as necessidades específicas do nosso corpo. Abaixo, separamos dicas da OMS e da World Health Foundation sobre o que nos faz ser saudáveis. Spoiler: os conselhos vão muito além de colocar verde no prato e praticar esportes. Veja:

1 – Família, amigos e comunidade

Isolamento social e solidão estão associados a um aumento de 30% nos riscos de desenvolver um ataque do coração ou aneurisma. Pessoas que são mais conectadas à família, amigos ou a sua comunidade tendem a viver vidas mais longas e saudáveis, com menor incidência de problemas físicos ou mentais.

2 – Educação e habilidades

As pessoas com expectativa de vida mais baixa são três vezes mais propensas a não ter qualificação em comparação àquelas com maior expectativa de vida. Boa educação e habilidades podem ajudar a construir bases sólidas para conexões sociais de apoio, acesso a um bom trabalho, aprendizagem ao longo da vida e resolução de problemas, além de trazer sentimentos de valorização e empoderamento.

3 – Trabalho

O trabalho pode ser um aliado ou vilão da boa saúde. Jovens adultos que estão desempregados têm duas vezes mais probabilidade de sofrer de problemas mentais do que aqueles que trabalham. O bom trabalho oferece estabilidade, segurança e renda regular. Mas para isso, deve ser realizado em boas condições e trazer bom salário e práticas que protegem o bem-estar. O ambiente deve ser de apoio mútuo e fornecer oportunidades de desenvolvimento pessoal e um grau de controle e autonomia para cada funcionário.

4 – Alimentação

Você sabia que custa três vezes mais caro obter a energia que precisamos de alimentos saudáveis do que de alimentos não saudáveis? A dieta pobre é um dos maiores fatores de risco para viver uma vida saudável. Uma dieta balanceada é essencial para a boa saúde e para proteger o organismo contra muitas doenças crônicas. Para isso, você deve comer mais frutas e vegetais e reduzir o consumo de sal, açúcar e gorduras saturadas.

Com as suas informações de saúde em mãos e apoio de profissionais, você pode identificar suas carências e elaborar dietas que caibam dentro das suas preferências e condições específicas.

5 – Atividade física

Adultos podem aprimorar sua saúde ao fazer, no mínimo, 150 minutos de atividades físicas moderadas ou intensas, ou 75 minutos de atividades aeróbicas intensas por semana. Se você separar meia hora por dia na sua rotina, durante cinco dias por semana, para praticar um esporte, é suficiente!

6 – Tecnologia

A tecnologia pode sim ser sua aliada na hora de manter uma boa saúde. Além de baixar o My Saúde para ter autonomia sobre suas informações e utilizá-las em consultas e atendimentos sempre que necessário, você pode se beneficiar de aplicativos e dispositivos que auxiliam a manter o corpo funcionando. Há, por exemplo, os apps que enviam lembretes para o usuário se manter hidratado ou que ajudam a manter uma dieta equilibrada. Que tal?

As duas organizações destacam, ainda, uma série de outras necessidades do ser humano no que diz respeito a ser saudável, como utilizar meios de transporte seguros e eficientes, ter moradia adequada e adotar bons hábitos, como não fumar. Cuidar da própria saúde, portanto, nada mais é do que viver uma boa vida — mantendo um registro acessível de tudo o que diz respeito ao seu corpo. 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *