Cuidado centrado no paciente: como usá-lo no consultório odontológico

Cuidado centrado no paciente: com usá-lo no consultório odontológico

Como é a relação entre dentista e paciente na sua opinião? Geralmente, o profissional examina os dentes da pessoa, sugere um tratamento e o aplica. Parece bastante unilateral, não é mesmo?

O cuidado centrado na pessoa no atendimento odontológico pretende trazer uma configuração bilateral à prática. Quando o paciente tem conhecimento sobre a sua própria história clínica, o atendimento do dentista é agilizado. Além  disso, a abordagem humanizada, característica do modelo, tende a oferecer maior suporte e a aprimorar os tratamentos, fidelizando o paciente.

O que é cuidado centrado na pessoa na odontologia?

Adotar o cuidado centrado na pessoa dentro do seu consultório odontológico significa, sobretudo, humanizar o atendimento, favorecendo a criação de vínculo entre paciente, profissional e toda a equipe envolvida. O acolhimento, segundo artigo disponível no Archives of Health Investigation é crucial para melhorar a qualidade da assistência prestada. Dessa forma, o bem-estar do paciente deve ser considerado um ponto de partida para a prática, e não apenas uma forma de balancear as expectativas e dor.

O cuidado centrado na pessoa na odontologia envolve, também, a empatia, o respeito aos valores do paciente, assim como suas preferências, necessidades e crenças. Ele deve ter, assim, liberdade de escolha durante o tratamento. Seu conforto emocional e físico deve ser promovido e sua autonomia estimulada.

Mas afinal, como aplicar tudo isso na prática?

O cuidado centrado na pessoa dentro do seu consultório

Veja algumas dicas para adotar o cuidado centrado na pessoa no seu dia a dia, dentro do seu consultório odontológico:

1 – Crie uma atmosfera acolhedora

Vamos ser honestos: ir ao dentista não é uma atividade confortável para diversas pessoas. Há, inclusive, quem trema de medo ao se acomodar na cadeira do profissional. Para deixar o paciente mais confortável, crie uma atmosfera mais humana.

Isso significa mostrar que ele é mais do que uma boca cheia de dentes. Além de conversar sobre sua saúde bucal, procure saber mais sobre seu estilo de vida, suas experiências dentárias passadas, seus objetivos e preocupações. Mostre que você deseja criar uma relacionamento de longo prazo, o que beneficia tanto o conforto do paciente, quanto o trabalho do profissional.

2 – Escute o seu paciente

Na hora de diagnosticar e oferecer o tratamento, leve o tempo necessário para explicar todas as opções e responder às perguntas do paciente. Ouça com atenção, seja paciente e se comunique com clareza.

Também é importante avaliar os diversos fatores que influenciam sua saúde oral e bucal para fazer as melhores escolhas no que diz respeito ao tratamento. Quando o paciente compreende o que deve ser feito e está engajado no processo, as chances de sucesso são maiores.

3 – Explore a saúde do paciente

Interessar-se pelo histórico e estilo de vida do paciente é importante para deixá-lo mais confortável. Mas tal prática também é uma ferramenta fundamental para o sucesso do tratamento. Deve-se, por exemplo, conhecer sua condição geral de saúde para identificar problemas orais relacionados, como um refluxo que causa mau hálito ou bactérias bucais que podem gerar condições cardíacas.

Seus hábitos e práticas também podem fornecer pistas importantes sobre a sua saúde bucal. Portanto, colha tais informações durante a entrevista inicial, na primeira consulta, e continue conversando com o paciente nos demais atendimentos para entender se algo mudou.

4 – Defina metas pessoais de saúde bucal

O paciente deve ser encorajado a aprimorar sua saúde bucal quando necessário. Para isso, converse com ele sobre seus comportamentos e o ajude a estabelecer metas de cuidados relacionadas à higienização, à frequência no consultório ou aos hábitos alimentares, por exemplo.

Em seguida, nas próximas consultas, revise o plano e ajuste os pontos necessários para que seja cumprido da melhor forma possível.

5 – Envolva toda a equipe

O cuidado centrado na pessoa deve ser prestado por todos os funcionários da sua clínica, como secretários e assistentes. Converse com a sua equipe sobre os princípios da prática e como eles devem ser implantados.

O que achou das dicas?

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *