Ações para uma vida saudável de acordo com o cuidado centrado na pessoa

Ações para uma vida saudável de acordo com o cuidado centrado na pessoa

Não é segredo que a vida saudável exige bons hábitos, como a prática de atividades físicas, dieta balanceada, sono de qualidade e exames de rotina. Seguir os conselhos contidos em tal fórmula mágica depende, sobretudo, de uma primeira atitude simples: empoderar-se da própria saúde.

Tal empoderamento significa, em outras palavras, conhecer o próprio corpo para tomar as melhores decisões na saúde ou na doença. De acordo com a Universidade de Harvard, a adoção de um estilo de vida saudável faz toda a diferença para evitar o desenvolvimento ou agravamento de problemas de saúde. Adotá-lo, no entanto, depende apenas de cada um de nós. A escolha é particular, mas afeta também o trabalho de médico e outros profissionais que nos acompanham.

Por outro lado, profissionais e sistemas de saúde também têm um papel no empoderamento do paciente. Por meio do cuidado centrado na pessoa, podem nos auxiliar a fazer escolhas mais conscientes no que diz respeito ao nosso corpo e bem-estar. Vamos entender melhor?

O empoderamento é a chave

Estamos mais acostumados a nos preocupar com a nossa saúde quando adoecemos. Um problema cardiovascular pode ser um incentivo para começar a praticar esportes ou a perder peso. Da mesma forma, sofrer com uma doença crônica que gere depressão como consequência pode ser o gatilho para procurar um terapeuta e lidar com problemas emocionais.

Também segundo a Universidade de Harvard, o grande empecilho para a vida saudável é o fato de que os sistemas e organizações de saúde investem mais no desenvolvimento de medicamentos sofisticados do que na prevenção de doenças. Individualmente, fazemos o mesmo: muitas vezes, gastamos mais com remédios, quando já estamos gravemente doentes, do que com a adoção de bons hábitos ou com o tratamento eficiente de uma condição mais simples.

O cuidado centrado na pessoa sugere justamente o contrário. Deve-se envolver as pessoas nos seus hábitos e tratamentos para que administrem sua própria saúde e bem-estar diariamente. Elas devem ter poder de decisão, sempre acompanhadas por profissionais que considerem suas características individuais com respeito.

Envolver indivíduos nos seus cuidados significa, por exemplo, compartilhar decisões sobre procedimentos de saúde e dar suporte emocional para pessoas que têm doenças crônicas ou de longa duração, como diabetes ou asma. Junto do médico, o paciente analisa e escolha os melhores tratamentos e hábitos a adotar para tratar a condição e ter melhor qualidade de vida.

Mas como, então, devemos nos empoderar dos nossos cuidados de saúde diariamente? Listamos algumas dicas:

1) Faça exames de rotina

Se você não sabe a quantas anda seu colesterol, nível de açúcar no sangue ou a sua pressão, faça um check up com o médico. O profissional de saúde deverá te avaliar e solicitar os exames necessários de acordo com o seu histórico e condição de saúde. Com os resultados em mãos, discuta com ele formas de manter os pontos positivos e melhorar os negativos, como procurar uma prática esportiva que te interesse ou fazer uso de algum medicamento.

2) Mexa o esqueleto

Não é preciso viver na academia para aprimorar a saúde por meio da atividade física. Você pode buscar um esporte que corresponda aos seus interesses, como dança, luta, jogos em grupo ou caminhadas diárias com os amigos. O importante é não ficar parado. Além disso, deve-se consultar o médico para entender se há alguma restrição importante.

3) Dieta balanceada

Assim como “praticar uma atividade física”, “adotar uma dieta balanceada” é um mantra que você deve repetir diariamente. Algumas pessoas o fazem naturalmente, enquanto outras têm dificuldade para comer legumes, grãos ou para beber bastante água. Se é o seu caso, procure um nutricionista ou nutrólogo. Tais profissionais irão se basear nos seus hábitos e características próprias para receitar dicas de alimentação que se encaixem na sua rotina.

4) Durma bem

A maioria dos adultos precisa de, em média, oito horas de sono por noite. Esse sono, no entanto, precisa ser de qualidade. Se você não está dormindo bem, é preciso entender quais são as causas, que podem variar do estresse à depressão.

5) Cuide da sua saúde mental

A saúde mental é tão importante quanto a saúde física e ambas se influenciam. O humor prejudicado pode afetar a sua energia, disposição, foco e causar outras doenças, como as cardiovasculares. Se você está se sentindo muito estressado, triste, desmotivado e não entende o motivo, chegou a hora de procurar ajuda médica.

Se você ainda não se sente confortável para ir a um terapeuta ou psiquiatra, converse com o seu médico de rotina, como ginecologista ou cardiologista. Ele poderá avaliar seu estado e, se necessário, te encaminhar para um especialista.

6) Tenha apoio profissional

Para que a sua saúde vá bem, é preciso contar com profissionais de saúde parceiros, com os quais você se sinta confortável para discutir novos sintomas, tirar dúvidas e participar da escolha de tratamentos.

Profissionais que se baseiam no cuidado centrado na pessoa costumam prestar atenção à prevenção, acompanhando a sua carteira de vacinação, sugerindo exames de rotina e observando mudanças apresentadas pelo seu organismo, como um ganho repentino de peso ou dificuldades para dormir. Não deixe de contar com a ajuda desses especialistas.

Que tal?

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *